Uso de um suco preparado em laboratório da Embrapa Agroindústria Tropical, no Ceará, com a farinha dessa fruta azedinha reduziu em 24% a taxa de triglicérides de voluntários

Laxativo e diurético, o tamarindo é uma fruta que auxilia na regulação do aparelho digestivo e do sistema urinário, ideal para quem sofre com retenção de líquidos ou constipação. Também é fonte de minerais, vitaminas e fibras alimentares.

Uma desvantagem dessa fruta azedinha é a própria acidez, que pode levar à rejeição em um determinado grupo de consumidores. Para aumentar a aceitação de seus derivados, a Unidade Agroindústria Tropical da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) vem desenvolvendo um suco de tamarindo com acidez parcialmente neutralizada.

“O tamarindo é muito ácido, e muitas pessoas rejeitam ou, então, diluem muito o suco”, diz a pesquisadora da estatal e doutora em Ciência dos Alimentos Ana Paula Dionísio.

Distúrbios do diabetes

O uso de um suco preparado em laboratório com a farinha de tamarindo reduziu em 24% a taxa de triglicérides de voluntários, conforme mostra um estudo que avaliou os impactos da utilização dessa fruta no controle dos distúrbios bioquímicos associados ao diabetes. A pesquisa foi realizada pela Embrapa e Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Triglicérides ou triglicerídeos são um tipo de gordura presente no sangue que, em quantidades mais altas, aumenta o risco de doenças cardíacas e outros problemas de saúde, principalmente quando o colesterol também está elevado.

Conforme Ana Paula, o consumo do tamarindo também promoveu leves reduções no colesterol total, no índice de massa corporal e na circunferência da cintura dos voluntários.

O estudo apontou ainda que o produto apresenta baixo índice glicêmico (IG). “Esse indicador mostra o quão rápido um alimento ingerido consegue aumentar a glicemia (a glicose no sangue).”

Participaram do experimento 164 adultos e idosos com diabetes, com peso adequado ou até leve obesidade. Do total, 82 pacientes apresentavam glicemia controlada e os demais, glicemia elevada. Durante quatro semanas, metade dos voluntários consumiu o suco preparado com a farinha de tamarindo e a outra ingeriu placebo.

Controle da doença

Suco de tamarindo com menor acidez também está em estudo em laboratório Foto: Verônica Freire/Divulgação Embrapa

Segundo a Embrapa, a intervenção contou com cinco encontros. A cada encontro, os voluntários recebiam envelopes com desidratado de tamarindo, para utilização ao longo da semana.

Os pacientes passaram por consultas e exames para determinação do perfil glicêmico e lipídico, verificação da ingestão alimentar e avaliação antropométrica (medidas de peso, altura, circunferência da cintura e do quadril).

Os resultados deixaram os cientistas animados. A equipe acredita que o produto pode ser utilizado como adjuvante para o controle do perfil lipídico de indivíduos com diabetes.

Novos produtos

Ana Paula esclarece que o estudo com alimentos funcionais busca desenvolver novos produtos que promovam benefícios à saúde dos consumidores.

Doutor em Ciência e Tecnologia de Alimentos, o engenheiro de alimentos Nedio Jair Wurlitzer, pesquisador da mesma unidade da Embrapa, salienta que, “com esse tipo de resultado, temos condição de incentivar a população a consumir mais frutas” e ainda incentivar a produção em campo.

A pesquisa foi financiada pela Embrapa e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Efeito específico

Testes em laboratório avalia impactos da utilização do tamarindo no controle dos distúrbios bioquímicos associados ao diabetes. Foto: Verônica Freire/Divulgação Embrapa

Responsável pela etapa da pesquisa com os pacientes no Centro Integrado de Diabetes e Hipertensão (CIDH), a nutricionista Tatiana Uchôa Passos comenta que nenhum dos medicamentos distribuídos pelo sistema público de saúde no Brasil apresenta ação específica sobre o triacilglicerol (triglicérides) no sangue.

Segundo ela, os remédios agem sobre o perfil lipídico como um todo, especialmente sobre o colesterol total.

“Observando por esse aspecto, a utilização da farinha de tamarindo seria ainda mais interessante para aqueles pacientes cuja inadequação lipídica seja apenas nos triglicérides”, afirma a nutricionista, que desenvolveu tese de doutorado sobre a pesquisa.

Tatiana também destaca que as demais variáveis investigadas ainda carecem de avaliação: “Diante da inovação proposta pela ideia desse projeto e da significância estatística encontrada com relação aos triglicérides, ficamos satisfeitos com os resultados e também instigados a dar continuidade aos estudos futuramente”.

Fitoterapia

A especialista em Nutrição ainda ressalta a necessidade de as pessoas terem hábitos alimentares saudáveis para que, ao se consumir alimentos com atividade fitoterápica ou funcional, eles possam, de fato, ser aproveitados.

“A fitoterapia possui resultados ainda mais evidentes, quando associada a um plano alimentar saudável e individualizado”, afirma.

Os pesquisadores também estão testando o tamarindo parcialmente neutralizado para averiguar se as propriedades benéficas serão mantidas. Esses testes estão em andamento com a parceria da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Paralelamente, a equipe do Laboratório Multiusuário de Química de Produtos Naturais da Embrapa avalia quimicamente os produtos, para investigar quais os componentes responsáveis pelos efeitos benéficos à saúde.

“Se identificarmos que polifenóis atuam com as fibras, para o efeito na saúde, teremos a possibilidade de concentrar esses componentes e utilizar em um novo produto”, explica Nedio Wurlitzer.

Alimentos funcionais

Experimentos com a farinha de tamarindo e a análise de seus efeitos em pacientes com diabetes fazem parte de uma linha de estudos com alimentos funcionais da Embrapa. Foto: Verônica Freire/Divulgação

Os experimentos com a farinha de tamarindo e a avaliação dos efeitos em pacientes com diabetes fazem parte de uma linha de estudos com alimentos funcionais, que vem sendo desenvolvida pela Embrapa Agroindústria Tropical.

Em geral, o esforço de pesquisa, desenvolvimento e inovação nos estudos com alimentos funcionais começa com a identificação e caracterização de novos componentes bioativos aplicáveis em alimentos e suplementos alimentares.

Conforme a estatal, “as pesquisas evoluem para o uso dessas matérias-primas no desenvolvimento de produtos comprovadamente funcionais, com formulações diferenciadas, versáteis e adequadas às necessidades dos consumidores”.

A Embrapa Agroindústria Tropical conta com o trabalho de pesquisadores que observam como o processamento pode ampliar os efeitos desejáveis dos componentes bioativos, bem como a estabilização desses ingredientes para a produção de insumos industriais ou produtos finais.

“Quando necessário, são realizados ensaios de toxicidade, testes pré-clínicos e clínicos envolvendo células, animais e, por fim, grupos de consumidores, para avaliar e comprovar os efeitos benéficos à saúde humana”, destaca a estatal em seu site.

O tamarindeiro

Nativo da África do Sul, a tamarindeiro é uma planta de grande porte, que pode chegar a 30 metros de altura em sua fase adulta. Foto: Divulgação

Fruto tropical nativo da África do Sul, o tamarindo pode ser cultivado facilmente em regiões tropicais e subtropicais da África, Sul da Ásia, América do Sul e ilhas do Caribe. Com o sabor doce e azedo, é uma das especiarias que pode ser encontrada normalmente em qualquer cozinha do Sul asiático.

O tamarindeiro é uma planta de grande porte, que pode chegar a 30 metros de altura em sua fase adulta. Possui folhagem volumosa com galhos longos, pesados e caídos. Seu gênero é o Tamarindus e o nome científico TamarindusDurante cada temporada, dá muitos frutos de tamarindo irregulares e curvos nas pontas dos galhos.

Cada fruto de tamarindo apresenta casca exterior espessa e polpa pegajosa de cor marrom, contendo de dois a dez duras sementes de cor marrom-escura. Botanicamente, o tamarindeiro está entre as grandes árvores tropicais pertencentes à família Fabaceae.

Benefícios nutricionais

Fundador do site Forma Saudável e divulgador da alimentação saudável, Rodrigo Fragoso trabalhou como plant based chef alguns anos no Rio de Janeiro, época em que participou de uma matéria chamada “36 Hours” do The New York Times. Atualmente, trabalha com infoprodutos e consultorias de gastronomia vegana por todo o Brasil.

Plant Based é um termo que remete a uma dieta feita com alimentos totalmente naturais, coloridos, com alta variedade e preferencialmente orgânicos.

A seguir, Fragoso lista os benefícios nutricionais do tamarindo para a saúde do corpo.

* Fonte de vitaminas e minerais

O fruto tamarindo contém compostos químicos importantes e com benefícios para a saúde humana como minerais, vitaminas e fibras alimentares.

* Fibra dietética

Polpa do fruto é rico em polissacarídeos não-amiláceos e fibra dietética, tais como hemicelulose, mucilagem, pectina e taninos. .Foto: Divulgação

A polpa do fruto é rico em polissacarídeos não-amiláceos e fibra dietética, tais como hemicelulose, mucilagem, pectina e taninos. Cem gramas de polpa de tamarindo fornecem cinco ou mais de 13% da fibra dietética.

A ingestão de fibra dietética na alimentação aumenta o volume e os movimentos intestinais, ajudando na prevenção da prisão de ventre e eliminando os níveis de colesterol “ruins” do corpo. Também liga às toxinas do alimento, auxiliando na proteção da membrana mucosa do cólon de substâncias cancerígenas.

* Poderoso antioxidante

Enquanto o limão é rico em ácido cítrico, o tamarindo é rico em ácido tartárico, que dá um gosto amargo à alimentação, mas também é um poderoso antioxidante (antioxidante número E, E334), que ajuda a proteger o corpo de radicais livres prejudiciais.

* Fitoquímicos importantes

O fruto contém muitos fitoquímicos, tais como limoneno, geraniol, safrol, ácido cinâmico, salicilato de metilo, pirazina e alkylthiazoles. Juntos, esses compostos representam os benefícios e as propriedades medicinais do fruto.

* Ajuda na prevenção de problemas do coração

O fruto de tamarindo é uma boa fonte de minerais, como cobre, potássio, cálcio, selênio ferro, zinco e magnésio. O potássio é um componente importante dos fluidos das células e do corpo, que ajuda na taxa de controle cardíaco e da pressão arterial.

O ferro é essencial para a produção de células vermelhas do sangue e atua como um co-fator das enzimas do citocromo oxidases.

* Vitaminas essenciais

Além disso, o fruto é rico em muitas vitaminas essenciais antioxidantes, incluindo a tiamina,  36% de níveis diários requeridos, vitamina A, ácido fólico, riboflavina, niacina.

* Compostos anti-inflamatórios

Tamarindo apresenta um significativo nível de vitamina C, bem como a vitamina E, vitaminas do complexo B, cálcio, ferro, fósforo, potássio, manganês e fibra dietética. Há também certo número de compostos orgânicos que fazem do fruto um poderoso antioxidante e um agente anti-inflamatório.

Dica importante

Rodrigo Fragoso destaca a importância de sempre procurar a orientação de um médico ou outro profissional de saúde qualificado, antes de começar qualquer tratamento novo ou fazer alguma mudança em um eventual tratamento existente.

Para mais informações, siga o chef no Instagram (@chef.drigo) ou acesse o site www.formasaudavel.com.br.

Fontes: Embrapa Agroindústria Tropical e Forma Saudável