Sistema StarkSat envolve serviço de monitoramento por satélite de lavouras e de denominação de origem geográfica pela composição química do alimento, sendo o último caso aplicável a grãos, frutas e carnes. Foto: Divulgação

Empresa do Grupo NovaTero, responsável pela comercialização do Rootella BR – um produto 100% natural e biológico, inédito no Brasil por ser o único composto por micorrizas, e indicado para melhorar o desempenho das lavouras –, a startup StarkSat oferece um serviço de monitoramento por satélite de lavouras e de denominação de origem geográfica pela composição química do alimento, sendo o último caso aplicável a grãos, frutas e carnes.

“Desenvolvemos esse sistema a pedido de alguns de nossos clientes, que estavam insatisfeitos com as ferramentas disponíveis no mercado brasileiro”, diz o empresário do agronegócio Bernardo Arnaud, que se inspirou no 14º Congresso de Agribusiness sobre Segurança Alimentar, promovido em novembro de 2013 pela Sociedade Nacional de Agricultura, para abrir as duas empresas com outros sócios. Leia a história dele no site da SNA em http://ow.ly/jBXO30nmDeO.

O executivo reforça que a plataforma da StarkSat pode comprovar a origem geográfica do alimento por comparação de elementos químicos presentes na produção original

“Isso agrega valor ao que é pago pelo alimento, terminando, de uma vez por todas, com as fraudes de origem e composição em produtos alimentares”, garante Arnaud, destacando que o sistema já está sendo utilizado na Europa e Ásia e se encontra em validação em clientes no Brasil, em lavouras de soja, cana-de-açúcar e algodão.

Tecnologia de precisão espacial

Utilizando uma tecnologia de precisão espacial via plataforma web, a StarkSat cuida da complexidade de aquisição e processamento de imagens, oferecendo um serviço simples, como o motor de busca na tela do computador, tablet ou smartphone.

“Não há a necessidade de servidores ou memórias de alto custo. Nós entregamos as informações que o produtor rural precisa, sobre qualquer lugar do mundo, apenas com uma assinatura básica. Quanto maior for sua fazenda, menos ele pagará por hectare”, informa o empresário do agro.

Ele explica que a resolução de 10×10 metros para cada pixel, no serviço básico Agro-Eye, “permite que o agricultor monitore o desenvolvimento de sua cultura e ainda observe como a irrigação e a fertilização progridem em termos de eficiência, por intermédio de NDVI (Normalized Difference Vegetation Index, em inglês ou Índice de Vegetação da Diferença Normalizada, em português) e outros índices”.

“Nossos sistemas fornecem as melhores ferramentas para analisar a área de interesse, em um piscar de olhos. O sistema da StarkSat consegue captar momentos importantes de uma plantação, como o desenvolvimento dos cultivares, o aumento de biomassa, o estresse hídrico e o início e fim da colheita, sem a necessidade de vários e caros sensores no chão.”

O relatório gerado pelo Agro-Sense é “à prova de nuvem”, medindo umidade e temperatura do solo a cada dois dias. “Várias regiões do Brasil possuem muita incidência de nuvens, o que dificulta o monitoramento por satélite em fazendas”, comenta Arnaud.

De acordo com o executivo, “isso significa que podemos oferecer ao produtor uma leitura completa do comportamento histórico da sua lavoura, podendo tomar melhores decisões para sua colheita”.

Serviços

Resumidamente, a cada cinco dias, os sistemas Agro-Eye e Agro-Eye Pro da StarkSat ajuda o produtor a visualizar onde o cultivo precisa de mais atenção. O Agro-Sense Temperatura e Umidade Agro-Sense, por sua vez, monitora a temperatura e a umidade do solo, de dois em dois dias.

Por fim, o serviço de relatórios offline Stark-Fert auxilia o agricultor a reduzir os custos com a fertilização e a maximizar sua produtividade, por meio de algoritmos que otimizam a preparação do solo e a adubação com dados históricos da região.

Para mais informações, acesse http://starksat.com. Outros detalhes sobre o Rootella BR, envie um e-mail para info@novatero.com.br.

Fonte: StarkSat