Novo software, infoCULT orienta produtor rural quando  cultivar arroz e feijão com menor risco climático

Saber a hora certa de plantar o arroz e o feijão nem sempre está sob controle dos produtores rurais que, por vezes, ficam à mercê das mudanças do clima, cenário que, todos os anos, se apresenta de forma cada mais variável e quiçá imprevisível.

Foi pensando exatamente nisso que cientistas da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) desenvolveram uma ferramenta eletrônica para ajudar o agricultor nessa tarefa, que é primordial para o sucesso da lavoura.

Trata-se do infoCULT, um software disponível desde o final do ano passado, que torna possível consultar, por Estado e municípios, as localidades aptas ao cultivo do cereal e/ou da leguminosa, além dos meses e datas de semeadura com menor risco de perdas no campo, devido à diminuição de chuvas.

Conforme a estatal, ao todo são fornecidas informações para o cultivo do arroz de sequeiro em sete Estados brasileiros; para o feijão de primeira safra em 13; e para o feijão de segunda safra em nove regiões do país.

Informações simplificadas

O infoCULT é um programa de computador, disponibilizado gratuitamente pela Embrapa, que busca simplificar o conjunto de informações presentes no zoneamento de Risco Climático e publicadas na página da internet do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) – acesse o link (encurtado) ow.ly/ 7dCq30jbF5j – e também desenvolvido pela estatal.

A série de dados para os sistemas de cultivo de arroz e de feijão foi agrupada e transformada de textos em tabelas, para facilitar a visualização dos períodos e localidades de plantio, combinada com informações sobre ciclos de plantas e diferentes tipos de solo.

Engenheiro agrônomo do Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-PR), Germano Kusdra foi um dos primeiros usuários da ferramenta eletrônica. Ele considera o software um avanço em relação à forma anterior de acesso, por meio de portarias publicadas na página virtual do Mapa.

“A gente fazia a consulta, que era um pouco mais complicada, baixando as portarias do Zoneamento Climático do Ministério da Agricultura. Com o infoCULT, facilitou muito a forma de procurar, porque você põe o Estado, o município e a cultura que você quer e já vai aparecer de modo claro e bem visual o período que se pode plantar e as variedades recomendadas. A apresentação ficou muito prática”, elogia Kusdra.

Agrometeorologia e geoprocessamento

O novo programa, que se baseia no Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc), envolve um trabalho interinstitucional e multidisciplinar com mais de 20 anos de pesquisas e que utiliza várias estações agrometeorológicas em todo o País, com coleta de dados diários sobre a distribuição das chuvas e temperatura do ar.

Ainda há um acompanhamento da série histórica dessas informações, conhecimentos sobre a capacidade de retenção de água, conforme os tipos de solo, assim como em fisiologia vegetal, foram utilizados.

Nesse último caso, foram empregadas medições da necessidade de água das plantas em seu ciclo de desenvolvimento e de produção, com diferentes cultivares, bem como a taxa de perda de água para a atmosfera.

Períodos favoráveis

Com esses dados das variáveis em mãos, foi utilizado um modelo de cálculo para o balanço hídrico integrado a sistemas de informação geográfica e geoestatística, para a espacialização dos períodos mais favoráveis à semeadura.

Conforme a Embrapa Arroz e Feijão (GO), o resultado desse estudo é uma relação de municípios indicados para o plantio do cereal e da leguminosa mais consumida no Brasil, com seus respectivos calendários de plantio, visando à obtenção de maiores rendimentos com menores riscos climáticos.

Nível de confiabilidade

Pesquisador da estatal, o engenheiro agrícola e mestre em Agronomia Silvando Carlos da Silva salienta que as estimativas oferecidas pelo Zoneamento Agroclimático são bastante seguras.

“Há um alto grau de confiabilidade, tanto para o produtor quanto para os cultivos destinados à pesquisa. Inclusive, aqueles realizados pela Embrapa seguem essa recomendação”, garante.

Em relação à eficácia e ao benefício desse sistema, ele faz apenas uma ponderação: “O Zoneamento Agroclimático para o arroz e o feijão mostra períodos favoráveis no ano para o cultivo, conforme determinado município. Contudo, trata-se de uma estimativa climática, o que não quer dizer que tal localidade tenha aptidão agrícola para esses cultivos, pois há situações – como, por exemplo, o relevo – que podem evidenciar o melhor uso das áreas por outras atividades”.

Fonte: Embrapa Arroz e Feijão