Objetivo da sondagem da Embrapa é traçar os principais desafios para a produção de pastagens no País. Foto: Ana Maio/Divulgação Embrapa

O prazo para o produtor rural participar do levantamento online do Portfólio de Pastagens da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) – estrutura que reúne todos os projetos de pesquisa nessa área – foi prorrogado para 26 de agosto.

Até o dia dois do mesmo mês, cerca de 400 respostas haviam sido registradas, sendo a maioria do Cerrado (39,5%) e Mata Atlântica (28,1%). O objetivo dessa sondagem, conforme a estatal, é levantar os principais desafios para a produção de pastagens no Brasil.

Qualquer usuário do País, que tenha relação com o tema, pode responder ao questionário online até dia 26, uma segunda-feira. De acordo com a presidente do Comitê Gestor do Portfólio, a engenheira agrônoma Patrícia Menezes Santos, pesquisadora da Embrapa Pecuária Sudeste (SP), é interessante que o levantamento seja aplicado em todas as regiões brasileiras como forma de captar diferentes realidades que envolvam produtores rurais, técnicos de assistência pública e/ou privada ou outros profissionais ligados à atividade pecuária.

Até o momento, segundo ela, 54,4% dos respondentes se identificaram como produtores rurais e 29,6% como técnicos que atuam na assistência pública ou privada. A sondagem vale para as atividades de corte, de leite, criação de búfalos, ovinocultura, caprinocultura, enfim, qualquer sistema produtivo que tenha relação com o cultivo de forrageira. O link para responder é esse: http://bit.ly/30BqIme.

“Quanto mais pessoas responderem, melhor. Por meio dessa prospecção de problemas, poderemos direcionar melhor a programação de pesquisa em pastagens da Embrapa e promover maior impacto com os resultados obtidos”, afirma Patrícia, que é mestre e doutora em Ciência Animal e Pastagens.

De acordo com a pesquisadora, as principais forrageiras utilizadas hoje, no Brasil, foram desenvolvidas pela Embrapa: “Temos ações de melhoramento com várias espécies, para todas as regiões e biomas do país e também estamos levantando informações relacionadas a clima, solo, pragas e doenças relevantes”.

Fonte: Embrapa Pecuária Sudeste